Data de realização do curso

Novembro de 2005

Local(is) de realização

ISCSN - Gandra

Áreas de conhecimento

  • Farmácia

Estrutura curricular

MÓDULO I - A DOR - O 5º SINAL VITAL
Sessão de abertura
Prof. Doutor Almeida Dias - Presidente do Grupo CESPU
Prof. Doutor Jorge Proença - Director do I.S.C.S.- Norte
Prof. Doutor Vítor Seabra - Director do Departamento de Ciências Farmacêuticas do I.S.C.S.- Norte

A perspectiva do Tratamento da Dor em Portugal
Prof. Doutor Castro Lopes - HSJ/Fac. Medicina - Universidade Porto

Epidemiologia da Dor
Dr. João Mota Dias

Dor: Definição e Tipos
Dr. João Mota Dias

Avaliação/Diagnóstico da Dor: da Pediatria à Geriatria
Dr.ª Luísa Carvalho

Anatomia e Fisiologia da Dor
Prof. Doutor Armando Almeida - Universidade do Minho

Causas/Consequências da Dor: Impacto na qualidade de vida
Dr.ª Luísa Carvalho

Farmacologia da Dor
Prof. Doutor Jorge Proença - ISCS-Norte

Terapias complementares da Dor
Dr. Jorge Gonçalves

Tratamento da Dor: Vias de Administração
Dr. Alexandre Teixeira

Desmitificação dos Opióides
Dr. Alexandre Teixeira

Farmacoterapia da Dor
Dr. Domingos Araújo - ISCS-Norte

Reacções Adversas ao Tratamento da Dor
Prof. Doutor Vítor Seabra - ISCS-Norte

MÓDULO II - DOR AGUDA (A DOENÇA, A TERAPÊUTICA E O CONSELHO FARMACÊUTICO)
Avaliação dos conhecimentos adquiridos no MÓDULO I

Cefaleias
Dr. Óscar Gomes

Dores Ósseas e Musculares
Dr. Domingos Araújo - ISCS-Norte

Dores pós - Cirúrgicas
Dr. Adriano Magalhães - Centro Hospitalar do Alto Minho

Dores Renais
Dr. Luís Saraiva - Hosp. São João

Dores Estomatológicas
Dr. Barbas do Amaral - ISCS-Norte

Dores Epigástricas
Dr. Aníbal Liberal - Cirurgião

Dores Traumáticas
Dr. António Leite Carneiro - Neurologista - Hospital Militar do Porto

Psicologia/Sociologia da Dor
Dr. Bruno Peixoto - ISCS-Norte


MÓDULO III - Dor Crónica (A Doença, a Terapêutica e o Conselho Farmacêutico)
Avaliação dos conhecimentos adquiridos no MÓDULO II

Dores de especialidade Otorrinolaringologista
Prof. Doutor Jorge Spratley - HSJ/ Fac. Medicina Univ. Porto

Enxaqueca
Dr. Óscar Gomes

Artrite Reumatóide
Dr. Domingos Araújo - ISCS-Norte

Dor Oncológica
Dr.ª Maria Rosa Fragoso - IPO - Porto

A realidade da Unidade de Dor
Dr.ª Maria Rosa Fragoso - IPO - Porto

Visita ao I.P.O. (Instituto Português de Oncologia)
Dr.ª Maria Rosa Fragoso - IPO - Porto

Visita à Unidade de Dor do HSJ (Hospital de S. João)
Dr. José Manuel Correia - HSJ

MÓDULO IV - COMO COMUNICAR COM O DOENTE COM DOR - O PAPEL DO FARMACÊUTICO
Avaliação dos conhecimentos adquiridos no MÓDULO III

Técnicas de comunicação
Dr.ª Ana Rita Pereira - ISCS-Norte

Apresentação aos formandos de casos práticos: Como Comunicar?
Dr.ª Áurea Lima - ISCS-Norte

Resolução de casos práticos
Dr.ª Ana Rita Pereira - ISCS-Norte
Dr.ª Áurea Lima - ISCS - Norte

Apresentação pelos formandos dos casos práticos resolvidos/Avaliação

Acreditação(ões)

CREDITAÇÃO PELA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - 4 CDP

Documentação necessária de candidatura

Comprovativo de Licenciatura
Curriculum Vitae
Boletim de inscrição devidamente preenchido
Fotocópia do BI e cartão de contribuinte
1 Fotografia
Cheque no valor da Inscrição

Informação e contactos

CESPU-FORMAÇÃO
Rua Central de Gandra, 1317
4585-116 Gandra - Paredes
Tel. 224 157 174/06
info@formacao.cespu.pt
www.cespu.pt

Local(is) de formação do curso

Campus Universitário de Gandra - Paredes
Campus Universitário de Gandra - Paredes
R. Central de Gandra, 1317
4585-116 GANDRA PRD - PORTUGAL

Entidades parceiras

Coordenação científica

Coordenação pedagógica

Objetivos

Desde sempre o Homem procurou esclarecer a(s) razão(ões) que justificasse(em) a ocorrência de Dor e os procedimentos destinados a seu controle, conforme sugerem alguns registros gráficos da pré-história e vários documentos escritos.
A Dor, seja Crónica ou Aguda, não é mais, nem menos, do que um fenómeno subjectivo que tem sido invocado pelas diversas organizações de Saúde devido ao seu controle inadequado. Apesar dos avanços na área da Saúde, a Dor não tratada permanece um problema.
Dada esta problemática, surgiu a necessidade do realizar de um curso que objectivasse acrescer competências aos profissionais de Saúde, de forma a ficarem aptos a dar o seu contributo ao Doente no tratamento adequado da (sua Dor).
Assim, no final do curso, cada formando deverá ser capaz de: reconhecer a problemática associada não só à dor como também ao doente com dor; comunicar adequadamente com o doente com dor; reconhecer o tipo de dor e a patologia a ela associada; compreender a terapêutica instituída pelo médico prescritor; promover a adesão à terapêutica prestando os seus serviços de aconselhamento, nomeadamente no que diz respeito à posologia, terapias complementares e controle dos efeitos colaterais. O formando deverá ainda ser capaz avaliar, conscientemente, o fenómeno álgico através do relato dos pacientes e promover a prevenção da dor.
Não menos importante, é a tomada de consciência, por todos nós, que jamais se pode, ou deve, menosprezar a Dor! Este facto, que infelizmente actualmente assistimos, surge devido ao preconceito generalizado, à preocupação em excesso com os efeitos colaterais dos opióides, à confusão com o termo tolerância, à relutância dos pacientes em se queixarem, e, ainda, à falta de conhecimento e de habilidade por parte dos profissionais de Saúde em recorrerem aos analgésicos opióides como medida terapêutica.
Não esqueçamos nunca que o Doente é a razão de existir dos profissionais de Saúde e que Doentes com Dor somos todos nós!

Destinatários

Licenciados em Ciências Farmacêuticas e em Farmácia.

Candidatura e selecção

Análise curricular.

Nº de vagas para o curso

25

Carga horária

35h

Critérios de aprovação

O n.º de faltas não pode exceder 25% da carga horária e, o formando deverá obter uma classificação superior a 75% em cada uma das avaliações modulares.

Duração e regime

O curso decorrerá segundo um regime de modular, no mês de Novembro de 2005

Emolumentos

INSCRIÇÃO
100 Euros
PROPINAS (IVA INCLUIDO)
Para Cooperantes da CESPU, CRL
400 Euros
Para Não Cooperantes da CESPU, CRL
500 Euros