Introdução

A via aérea difícil é definida como uma situação clínica, onde um médico, mesmo bem  treinado, tem dificuldade em intubar  e manter ventilação manual sob máscara facial, ou ambos.  As principais sequelas associadas ao manuseio inadequado da via aérea difícil são: a morte, lesão cerebral, paragem cardiopulmonar, traqueostomia desnecessária. Segundo as recomendações da AMEC ( Airway Management Education Center)  e da  ASA (American Society of Anesthesiologists), dispomos de diversos cursos em simulação de casos clínicos, com manequim e modelos animal. Disponibilizamos quatro tipo de cursos certificados: Fundamental, Essencial, Difficult e Critical Care.

Data de realização do curso

30 de março de 2019

Local(is) de realização

Escola Superior de Saúde do Vale do Ave - Vila Nova de Famalicão

Áreas de conhecimento

  • Enfermagem
  • Medicina

Estrutura curricular

  • Anatomia da via aérea
  • Avaliação da via aérea
  • Via aérea básica
  • Algoritmo da via aérea difícil e falhada
  • Laringoscopia e entubação 
  • Dispositivos extraglóticos 
  • Via aérea cirúrgica por cricotirotomia
  • Laringoscopia difícil 
  • Abordagem da via aérea em pediatria
  • Casos Especiais
  • Casos Clínicos

Acreditação(ões)

Certificado da EMAC - Airway World, com validade internacional de dois anos.

Documentação necessária de candidatura

Curriculum Vitae em modelo Europass (Consulte os documentos de suporte);
Fotocópia do Certificado de Habilitações; 
Preenchimento do boletim de candidatura (Consulte os documentos de suporte);
Fotocópia do Bilhete de Identidade, Cartão de Contribuinte ou do Cartão de Cidadão; 
Cheque ou comprovativo de transferência para o IBAN PT50 0033.0000.00048634338.29, no valor da candidatura.

Informação e contactos

CESPU - Formação
Rua Central de Gandra, 1317
4585-116 Gandra - Paredes
Tel. 224 157 174/06
info@formacao.cespu.pt
www.cespu.pt

Local(is) de formação do curso

Campus Académico de Vila Nova de Famalicão
Campus Académico de Vila Nova de Famalicão
R. José António Vidal,81
4760-409 Vila Nova de Famalicão - PORTUGAL

Objetivos

Esta formação tem como objetivo geral que os formandos saibam intervir corretamente na abordagem da Via Aérea e VA Difícil, de acordo com as guidelines e recomendações internacionais instituídas.

Objetivos específicos:

Esta formação tem como objetivos específicos que os formandos: - Reconhecerem as estruturas anatómicas da VA; - Saibam avaliar e intervir de forma sistematizada na Abordagem da Via Aérea Básica e Via Aérea Avançada; - Saibam aplicar os algoritmos de VA difícil e falhada; - Saibam prever, identificar e intervir em situações de VA difícil e as suas complicações; - Conheçam e saibam colocarde dispositivos extraglóticos e supraglóticos, assim como saber em que situações se aplicam; - Saibam aplicar corretamente as manobras associadas à permeabilização da Via Aérea Básica e Avançada; - Conheçam e saibam abordar a VA com o auxilio da laringoscopia, videolaringoscopia e outros dispositivos de imagem na entubação; - Compreendam a importância da gestão dos parâmetros de qualidade na manutenção da VA e a prevenção de possíveis complicações associadas; - Saibam realizar via aérea cirúrgica por cricotirotomia; - Compreendam e saibam efetuar a confirmação/monotorização por capnografia; - Abordar e intervir em via aérea pediátrica.

Metodologia

O curso de 8 horas,  desenvolve-se em sala de aula e essencialmente em bancas práticas. Utiliza-se fundamentalmente o método activo com recurso a técnica de resolução de problemas e casos clínicos. 
O curso terminará com uma  avaliação teórica. 

Destinatários

Médicos e Enfermeiros

Candidatura e selecção

Inscrições até 28/02/2019

Ordem de inscrição

Nº de vagas para o curso

18

Carga horária

8 horas

Critérios de aprovação

A aprovação está condicionada à presença em todos os conteúdos do curso e à obtenção de classificação de 80% na prova escrita.

 

Cronograma

30 de março de 2019

das 9h às 13h e das 14h às 20h

Corpo docente

Estevão Lafuente, Dr.
Licenciado em Medicina. Especialidade de Medicina Intensiva. Director da Unidade de Cuidados Intensivos Polivalentes do Centro Hospitalar Tâmega e Sousa (CHTS). Coordenador da Viatura de Emergência e Reanimação (VMER) do CHTS. Instrutor de ACLS pelo AHA. Coordenador do Grupo de Emergência e Reanimação.
Filipe Fernandes, Enf.

Licenciado em Enfermagem e Doutorando pela Universidade Católica Portuguesa na área do Doente Critico. Especialista de Carreira Docente, na área das Ciências de Enfermagem e coordenador pedagógico da formação pós-graduada na área de doente crítico na CESPU Formação.

Formador da American Heart Association, para Suporte Básico de Vida,  Suporte Avançado de Vida e Emergências Cardiovasculares, formador de  Gestão de Crises e Catástrofes pelo SAMU Sevilha e Airway Management Education Center.